Momento com Deus

Oração para antes e depois do trabalho

Inspira nossas ações, Senhor e acompanha-as com teu auxilio, para que qualquer das nossas atividades tenha sempre em ti o seu inicio e o seu cumprimento.

Senhor quero que o meu trabalho de hoje seja um ato de amor a ti, a minha família e ao mundo. ajuda-me a vive-lo com alegria, como uma colaboração a tua obra de criadora, a minha própria realização e ao caminho de libertação da humanidade. Aceito o sofrimento que isso comporta, como participação na cruz de Jesus. E recomendo aos teus olhos de Pai os desempregados, os pobres e os desafortunados. Amem

IN:http://blog.cancaonova.com/zezinho/?cat=851


MY E-MAIL

terça-feira, 28 de setembro de 2010

Canavieiras Bahia - Video Impressionen

Canavieiras - BA

CANAVIEIRAS , O Paraiso das Ilhas.

PROJETO: UMA IMAGEM VALE MAIS QUE MIL PALAVRAS ...

PROJETO: UMA IMAGEM VALE MAIS QUE MIL PALAVRAS

Professor (a) Cursista: BÁRBARA DINIZ
Formador: Dalécio L. Macêdo

TEMA:
UTILIZAÇÃO DAS NOVAS TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO

 TÍTULO:
UMA IMAGEM VALE MAIS QUE MIL PALAVRAS
 
PROBLEMA:
A transformação da cidade é feita pelos que nela vivem: seus cidadãos. Essa idéia permeia o projeto que, voltando-se para a formação de jovens, quer trabalhar a questão da apropriação da cidade sob uma novo olhar utilizando as Novas Tecnologias na Educação e  a aperspectiva de transformação.

Escola de Implementação: COLÉGIO ESTADUAL GOVERNADOR PAULO SOUTO-Canavieiras-BA

Público objeto da intervenção: O projeto será direcionado a educadores, equipe técnica da Educação de Jovens e Adultos (EJA) e educando do ensino médio- EJA-(Tempos Formativos) .
 
JUSTIFICATIVA:
Embora ainda seja grande a parcela da população que não tem acesso aos benefícios trazidos pelo avanço das tecnologias, incluindo as da informação e comunicação (TICs), cresce a compreensão de que se trata de um direito, a ser amplamente requerido e apropriado pela sociedade. As TICs oferecem um grande leque de possibilidades pedagógicas e têm favorecido a emergência de modelos alternativos de educação, ao propor ambientes de ensino-aprendizagem que estimulam a interatividade, o protagonismo e a capacidade de comunicação, colaboração e inovação de pessoas e grupos.

OBJETIVOS :
OBJETIVO GERAL
Identificar possibilidades de atuação que possam contribuir para que a educação esteja a serviço na construção da cidadania, além de propiciar a compreensão do significado e da importância da utilização da capacidade do educando como principal objetivo norteador da ação pedagógica, enfatizando a utilização da novas “Tecnologias na Educação (TICs)”.

OBJETIVOS ESPECÌFICOS

• Reconhecer o vocabulário na língua inglesa através do ver ouvir e falar;

• Conhecer melhor a cidade onde se mora;

• Levantar um repertório visual do cotidiano: o trajeto diário; ( Utilizando a Língua Inglesa);

• Proporcionar a experiência de criar (escrita) de textos relativos às imagens;, a partir do individual desta;

• Valorizar a cidade  de Canavieiras , sendo capaz de orientar e informar sobre suas características de modo geral, especialmente através da internet (blog, sites,etc), utilizando a Língua Portugesa e aLíngua Inglesa ;

• Incentivar a utilização das TICs.

REVISÃO DE LITERATURA
O impacto das Novas Tecnologias tem provocado mudanças na Educação, que não tarda a incorporar os últimos recursos tecnológicos direcionados ao setor. Dessa forma, a integração de novas mídias como televisão e Internet não é mais novidade estranha à sala de aula. Pelo contrário, contribui para a criação de novas estratégias de ensino, aprendizagem e auto-capacitação. Se pensarmos nestas mudanças e nas implicações que podem ter nos processos ensino/aprendizagem ficamos confrontados com uma série de dúvidas mas também adquirimos algumas certezas. Uma é que o aproveitamento optimizado destas novas tecnologias implica uma mudança drástica das nossas formas de ensinar e aprender.
Como afirma R. C. Heteric a palavra base deste tipo de ensino é "interactividade". Trata-se da mudança de um ensino onde é limitado o papel do aluno na busca de informação e em que ele se tenta adaptar à informação existente (alunos em sítios do interior onde não existem boas bibliotecas e livrarias têm de se conformar a essa situação) para um ensino em que a informação se adapta ao aluno, onde quer que este se encontre.
 
METODOLOGIAS
• Fazer um registro fotográfico de sua rota diária. Lembrar os caminhos que faz, pontos de referência, lugares por onde gosta de passar, marcos da história pessoal. Estabelecer um paralelo com os marcos históricos e comentar um pouco sobre eles e sua importância.

• Executar exercício de observação para sensibilizar e apurar o olhar artístico: fazer desenhos rápidos de observação de diferentes pontos de vista da cidade onde será realizada a oficina. Observar as ruas, as casas, as construções de diferentes níveis.

• Produzir textos emPortuguês e  Inglês.

• Utilizar sites para pesquisa.

• Utilizar Power Point

• Criação de blog para divulgar os trabalhos realizados.

REFERÊNCIAS:

• Ministério da Educação e Cultura. Secretaria de Educação Média e Tecnológica, Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio (MEC/SENTEC, Brasília,1999).

• FAZENDA, Ivani.Interdisciplinaridade: História, Teoria e Pesquisa, 1994, p.69-70.

• FEREIRA in Fazenda. Escolarização dos Profissionais não Docentes da Educação -1993 - p. 17, p. 21-22.
                                                                     ANEXO-FOTOS





segunda-feira, 27 de setembro de 2010

NEWS

ATIVIDADES VARIÁDAS - PSICOPEDAGOGIA

domingo, 26 de setembro de 2010

Libras Educando Surdos-Sites Interessantes

LIbras Educando Surdos

Assuntos

chapeuzinho vermelho em libras

Atividades - Libras

3 PORQUINHOS EM LIBRAS

As Categorias Gramaticais na LIBRAS

5. As Categorias Gramaticais na LIBRAS


    As categorias gramaticais ou parte do discurso são os paradigmas ou classes de palavras de uma língua. Todas língua possui palavras que são classificadas como fazendo parte de um tipo, classe ou paradigma em relação as seus aspectos morfológicos, sintáticos, semânticos e pragmáticos. Assim, na língua portuguesa, por exemplo, os substantivos são palavras que possuem desinência de gênero e número, são as palavras-chave de um sintagma nominal que pode ter a função de sujeito ou de objeto.     Embora todas as línguas não possuam as mesmas classes gramaticas e muitas línguas não possuem algumas, isso não implica carência ou inferioridade, as línguas tem formas diferenciadas para expressar os conceitos. Por exemplo, na LIBRAS não há artigos, em inglês somente este uma forma para para artigo definido: “the”.
    As outras categorias, que existem na língua portuguesa, também existem na LIBRAS. Aqui serão apresentadas algumas e estudos mais aprofundados destas e de outras, que não serão mencionadas, já estão sendo feitos:
5.1. Verbo na LIBRAS
    Basicamente na LIBRAS, há dois tipos de verbo:
    a) verbos que não possuem marca de concordância, embora possam ter flexão para aspecto verbal;
    b) verbos que possuem marca de concordância.
    Quando se faz uma frase com verbos do primeiro grupo, é como se eles ficassem no infinitivo, por exemplo:
    (1) EU   TRABALHAR FENEIS   “eu trabalho na FENEIS”;
    (2)EL@ TRABALHAR FENEIS  “ele/a trabalha na FENEIS”;
    (3) EL@ TRABALHAR FENEIS  “eles/as trabalham na FENEIS.
        Os verbos do segundo grupo podem ser subdivididos em:
    1. Verbos que possuem concordância número-pessoal: a orientação marca as pessoas do discurso. O ponto inicial concorda com o sujeito e o final com o objeto. Exemplos
:
    (4)  1sPERGUNTAR2s  “eu pergunto a você”;
    (5)  2sPERGUNTAR1s  “você me pergunta”
    2. Verbos que possuem concordância de gênero: são verbos classificadores porque a eles estão incorporados, através da configuração de mão, uma concordância de gênero: PESSOA, ANIMAL ou COISA. Exemplos:
    (6)  pessoaANDAR    (configuração da mão em G);
    (7)  veículoANDAR/MOVER (configuração da mão em 5 ou B, palma para baixo)
    (8)  animalANDAR (configuração da mão em 5 ou 5, palma para baixo);
    3. Verbos que possuem concordância com a localização: são verbos que começam ou terminam em um determinado lugar que se refere ao lugar de uma pessoa, coisa, animal ou veículo, que está sendo colocado, carregado, etc. Portanto o ponto de articulação marca a localização. Exemplos:
    (9)    COPO  MESAk    coisa arredondadaCOLOCARk;
    (10)  CABEÇAk   ATIRARk.
    Estes tipos de concordância podem coexistir em um mesmo verbo. Assim, há verbos que possuem concordância de gênero e localização, como o verbo COLOCAR acima; e concordância número-pessoal e de gênero, como o verbo DAR. Concluindo, pode-se esquematizar o sistema de concordância verbal, na LIBRAS, da seguinte maneira:
 
1. concordância número-pessoal              =>   parâmetro orientação 2. concordância de gênero e número       =>   parâmetro configuração de mão
3. concordância de lugar                            =>   parâmetro ponto de articulação
5.1.1.  Classificador na LIBRAS
Nas línguas do mundo as classificações podem se manifestam de várias formas. Podem ser:
  • uma desinência, como em português, que classifica os substantivos e os adjetivos em masculino e feminino: menina - menino;
  • pode ser uma partícula que se coloca entre as palavras;
  • e ainda pode ser uma desinência que se coloca no verbo para estabelecer concordância.
    Ao se atribuir uma qualidade a uma coisa como, por exemplo: arredondada, quadrado, cheio de bolas, de listras, etc isso representa um tipo de classificação porque é uma adjetivação descritiva, mas isso não quer dizer que seja, necessariamente, um classificador como se vem trabalhando este conceito nos estudos lingüísticos.     Para os estudiosos deste assunto, um classificador é uma forma que existe em número restrito em uma língua e estabelece um tipo de concordância.
    Na LIBRAS, os classificadores são configurações de mãos que, relacionadas à coisa, pessoa e animal, funcionam como marcadores de concordância.
    Assim, na LIBRAS, os classificadores são formas que, substituindo o nome que as precedem, pode vir junto ao verbo para classificar o sujeito ou o objeto que está ligado à ação do verbo. Portanto os classificadores na LIBRAS são marcadores de concordância de gênero: PESSOA, ANIMAL, COISA.
    Os classificadores para PESSOA e ANIMAL podem ter plural, que é marcado ao se representar duas pessoas ou animais simultaneamente com as duas mãos ou fazendo um movimento repetido em relação ao número.
    Os classificadores para COISA representam, através da concordância, uma característica desta coisa que está sendo o objeto da ação verbal, exemplos:
    (11)  COPO   MESAk              coisa arredondadaCOLOCARk;
    (12)  2 CARRO veículoANDAR-UM-ATRÁS-DO-OUTRO (md)
                               veículoANDAR (me)
     (13)  M-A-R-I-A   A-L-E-X    pessoaPASSAR-UM-PELO-OUTRO (md)
                                                   pessoaPASSAR (me)
    Não se deve confundir os classificadores, que são algumas configurações de mãos incorporadas ao movimento de certos tipos de verbos, com os adjetivos descritivos que, nas línguas de sinais, por estas serem espaço-visuais, representam iconicamente qualidades de objetos. Por exemplo, para dizer nestas línguas que “uma pessoa está vestindo uma blusa de bolinhas, quadriculada ou listrada”, estas expressões adjetivas serão desenhadas no peito do emissor, mas esta descrição não é um classificador, e sim um adjetivo que, embora classifique, estabelece apenas uma relação de qualidade do objeto e não relação de concordância de gênero: PESSOA, ANIMAL, COISA, que é a característica dos classificadores na LIBRAS, como também em outras línguas orais e de sinais.
 
5.1.2. Advérbios de tempo
    Na LIBRAS não há marca de tempo nas formas verbais, é como se os verbos ficassem na frase quase sempre no infinitivo. O tempo é marcado sintaticamente através de advérbios de tempo que indicam se a ação está ocorrendo no presente: HOJE, AGORA; ocorreu no passado: ONTEM, ANTEONTEM; ou irá ocorrer no futuro: AMANHÃ. Por isso os advérbios geralmente vem no começo da frase, mas podem ser usados também no final. Para um tempo verbal indefinido, usa-se os sinais:
  • HOJE, que traz a idéia de “presente”;
  • PASSADO, que traz a idéia de “passado”;
  • FUTURO, que traz a idéia de futuro.

5.2. Adjetivo na LIBRAS
    Os adjetivos são sinais que formam uma classe específica na LIBRAS e sempre estão na forma neutra, não havendo, portanto, nem marca para gênero (masculino e feminino), em para número (singular e plural).
    Muitos adjetivos, por serem descritivos e classificadores, apresentam iconicamente uma qualidade do objeto, desenhando-a no ar ou mostrando-a a partir do objeto ou do corpo do emissor.
    Em português, quando uma pessoa se refere a um objeto como sendo arredondado, quadrado, listrados, etc está, também, descrevendo e classificando, mas na LIBRAS esse processo é mais “transparente” porque o formato ou textura são traçados no espaço ou no corpo do emissor, em uma tridimensionalidade permitida pela modalidade da língua.
    Em relação à colocação dos adjetivos na frase, eles geralmente vêm após o substantivo que qualifica. Exemplos:
    (14) PASSADO EU GORD@ MUITO-COMER, AGORA EU MAGR@ EVITAR COMER
    (15) LEÃ@ COR CORPO AMAREL@ PERIGOS@
    (16) RAT@ PEQUEN@, COR PRET@, ESPERT@
 
5.2.1. Comparativo de igualdade, superioridade e inferioridade
    Em LIBRAS, também, pode ser comparada uma qualidade a partir de três situações: superioridade, inferioridade e igualdade.
    Para se fazer os comparativos de superioridade e inferioridade, usa-se os sinais MAIS ou MENOS antes do adjetivo comparado, seguido da conjunção comparativa DO-QUE, ou seja:
  • comparativo de superioridade:    X    MAIS  ------- DO-QUE    Y;
  • comparativo de inferioridade:     X    MENOS  ----  DO-QUE    Y.
    Para o comparativo de igualdade, podem ser usados dois sinais: IGUAL (dedos indicadores e médios das duas mãos roçando um no outro) e IGUAL (duas mãos em B, viradas para frente encostadas lado a lado), geralmente no final da frase. Exemplos:     (17)  VOCÊ MAIS VELH@ DO-QUE EL@
    (18)  VOCÊ MENOS VELH@ DO-QUE EL@
    (19)  VOCÊ-2 BONIT@ IGUAL (me)
                                             IGUAL (md)
5.3. Pronome na LIBRAS
5.3.1. Pronomes pessoais
    A LIBRAS possui um sistema pronominal para representar as pessoas do discurso:
  • primeira pessoa (singular, dual, trial, quatrial e plural): EU; NÓS-2, NóS-3, NÓS-4, NÓS-GRUPO, NÓS-TOD@;
  • segunda pessoa (singular, dual, trial, quatrial e plural): VOCÊ, VOCÊ-2, VOCÊ-3, VOCÊ-4, VOCÊ-GRUPO, VOCÊ-TOD@;
  • terceira pessoa (singular, dual, trial, quatrial e plural): EL@, EL@-2, EL@-3, EL@-4, EL@-GRUPO, EL@-TOD@
    No singular, o sinal para todas as pessoas é o mesmo, ou seja, a configuração da mão predominante é em “d” ( dedo indicador estendido, veja alfabeto manual), o que difere uma das outras é a orientação da mão: o sinal para “eu” é um apontar para o peito do emissor (a pessoa que está falando), o sinal para “você” é um apontar para o receptor (a pessoa com quem se fala) e o sinal para “ele/ela” é um apontar para uma pessoa que não está na conversa ou para um lugar convencionado para uma terceira pessoa que está sendo mencionada.     No dual, a mão ficará com o formato de dois, no trial o formato será de três, no quatrial o formato será de quatro e no plural há dois sinais: um sinal composto formado pelo sinal para a respectiva pessoa do discurso, no singular, mais o sinal GRUPO; e outro sinal para plural que é feito pela mão predominante com a configuração em “d” fazendo um círculo.
    Como na língua portuguesa, na LIBRAS, quando uma pessoa surda está conversando, ela pode omitir a primeira pessoa e a segunda porque, pelo contexto, as pessoas que estão interagindo sabem a qual das duas o verbo está relacionado, por isso, quando estas pessoas estão sendo utilizadas pode ser para dar ênfase à frase.
    Quando se quer falar sobre uma terceira pessoa que está presente, mas deseja-se uma certa reserva, por educação, não se aponta para esta pessoa diretamente. Nesta situação, o emissor faz um sinal com os olhos e um leve movimento de cabeça para a direção da pessoa que está sendo mencionada, ou aponta para a palma da mão encontrando o dedo na mão um pouco à frente do peito do emissor, estando esta mão voltada para a direção onde se encontra a pessoa referida.
 
5.3.2. Pronomes demonstrativos e advérbios de lugar
    Na LIBRAS os pronomes demonstrativos e os advérbios de lugar têm o mesmo sinal, somente o contexto os diferencia pelo sentido da frase acompanhada de expressão facial.
    Este tipo de pronome e de advérbio estão relacionados às pessoas do discurso e representam, na perspectiva do emissor, o que está bem próximo, perto e distante.
    Estes pronomes ou advérbios têm a mesma configuração de mãos dos pronomes pessoais (mão em d), mas os pontos de articulação e as orientações do olhar são diferentes.
    Assim, EST@ / AQUI é um apontar para o lugar perto e em frente do emissor, acompanhado de um olhar para este ponto; ESS@ / AÍ é um apontar para o lugar perto e em frente do receptor, acrescido de um olhar direcionado não para o receptor , mas para o ponto apontado perto segunda pessoa do discurso; e AQUELE / LÁ é um apontar para um lugar mais distante, o lugar da terceira pessoa, mas diferentemente do pronome pessoal, ao apontar para este ponto há um olhar direcionado:
 
 


PRONOMES PESSOAIS PRONOMES DEMONOSTRATIVOS
E ADVÉRBIOS DE LUGAR
EU   olhando para o receptor     EST@ / AQUI  olhando para o lugar apontado, perto do emissor   (perspectiva do emissor)
VOCÊ   olhando para o recptor ESS@ / AÍ  olhando para o lugar apontado, perto da 2a. pessoa   (perspectiva do emissor)
EL@     olhando para o receptor AQUEL@ / LÁ  olhando para o lugar  convencionado para 3a pessoa ou coisas afastadas
 
Como os pronomes pessoais, os pronomes demonstrativos também não possuem marca para gêneros masculino e feminino e, por isso, está ausência, ou neutralidade, está sendo assinalada pelo símbolo @.
 
5.3.3. Pronomes possessivos
    Os pronomes possessivos, como os pessoais e demonstrativos, também não possuem marca para gênero e estão relacionados às pessoas do discurso e não à coisa possuída, como acontece em português:
  • EU        =>  ME@ SOBRINH@;
  • VOCÊ  =>  TE@ ESPOS@;
  • EL@     => SE@.FILH@
    Para a primeira pessoa: ME@, pode haver duas configurações de mão: uma é a mão aberta com os dedos juntos, que bate levemente no peito do emissor; a outra é a configuração da mão em P com o dedo médio batendo no peito.     Para as segunda e terceira pessoas, a mão tem esta segunda configuração em P, mas o movimento é em direção à pessoa referida: segunda ou terceira.
    Não há sinal específico para os pronomes possessivo no dual, trial, quadrial e plural (grupo), nestas situações são usados os pronomes pessoais correspondentes. Exemplo: NÓS  FILH@  “nosso(a) filho(a)”
 
5.3.4. Pronomes Interrogativos
5.3.4.1. QUE, QUEM, ONDE
    Os pronomes interrogativos QUE e QUEM geralmente são usados no início da frase, mas o pronome interrogativo ONDE e o pronome QUEM, quando está sendo usado com o sentido de “quem-é” ou “de quem é” são mais usados no final. Todos os três sinais têm uma expressão facial interrogativa feita simultaneamente com eles.
    O pronome interrogativo QUEM, dependendo do contexto, tem duas formas diferentes, os sinais QUEM e o sinal soletrado QUM. Se se quer perguntar “quem está tocando a campainha”, usa-se o sinal QUEM; se quer perguntar “quem faltou hoje” ou “quem está falando” ou ainda “quem fez isso”, usa-se o sinal soletrado QUM, como nos exemplos abaixo:
           interrog.
    (20) QUEM
           QUEM NASCER RIO?
           QUEM FAZER ISSO?
           PESSOA, QUEM-É?       “Quem é esta pessoa?”
           CANETA, QUEM-É        “De quem é está caneta”
           (contexto: Telefone TDD tocar) QUEM-É?
           (contexto: Campainha tocar)  QUEM-É
 
            interrog.
    (21) QUM
            QUM TER LIVR@?
            QUM FALAR?
 
5.3.4.2. QUAL, COMO, PARA-QUE  e POR-QUE
    Na LIBRAS, há uma tendência para a utilização, no final da frase, dos pronomes interrogativos QUAL, COMO e PARA-QUE, e para a utilização, no início da frase, do pronome interrogativo POR-QUE, mas os primeiros podem ser usados também no início e POR-QUE pode ser utilizado também no final.
    Não há diferença entre o “por que” interrogativo e o “porque” explicativo, o contexto mostra, pelas expressões facial e corporal, quando ele está sendo usado em frase interrogativa ou em frase explicativa à pergunta.O pronome interrogativo COMO também tem outra forma em datilologia:
C-O-M-O. Exemplos:
  • QUAL?

    (22) BLUSA MAIS BONIT@. ESTAMPAD@ OU LIS@ QUAL?
            MAIS BONIT@ ESTAMPAD@.
    (23) VOCÊ LER LIVRO? QUAL NOME?
            NOME “ VENDO VOZES”
 
  • COMO?
    (24) VOCÊ IR PRAIA AMANHÃ CARRO ÔNIBUS A-PÉ? COMO?
            CARRO. VOCÊ QUER IR-JUNTO?     (25) EL@ COMPRAR CARRO? C-O-M-O TER DINHEIRO?
            EL@ GANHAR LOTO
 
  • PARA-QUE?
    (26) FALAR M-L EL@ PRA-QUE?
           PORQUE EU GOSTAR-NÃO EL@     (27) CHEGAR ATRASAD@ , VOCÊ BEBER?
            NÃO, PENSAR M-L! PRA-QUE? BOBAGEM! exp.facial “parece que ele percebeu,  me dei mal!!
 
  • POR-QUE?
            ...interrog...
    (28)  POR-QUE FALTAR ONTEM TRABALHAR?
             POR-QUE ESTAR DOENTE. 5.3.4.3. QUANDO, DIA, QUE-HORA, QUANTAS-HORAS
  • QUANDO e DIA
    Sempre simultaneamente aos pronomes ou expressões interrogativas há uma expressão facial indicando que a frase está na forma interrogativa.     A pergunta com QUANDO está relacionada a um advérbio de tempo na resposta ou a um dia específico. Por isso há três sinais diferentes para “quando”. Um que especifica passado: QUANDO-PASSADO ( palma da mão com um movimento para o corpo do emissor), outro que especifica futuro: QUANDO-FUTURO (palma da mão com um movimento para fora do corpo do emissor), e outro que especifica o dia: DIA. Exemplos:
             interrogativo
    (29) QUANDO-PASSADO
                                                 interrogativo
  • EL@ VIAJAR RECIFE QUANDO-PASSADO?
          Resposta: ONTEM, MÊS PASSADO, ANO-PASSADO, etc.              interrogativo                   interrogativo
    (30) QUANDO-FUTURO ou    DIA
                                                           interrogativo
  • EL@ VIAJAR SÃO-PAULO QUANDO-FUTURO?
          Resposta: AMANHÃ, PRÓXIMO MÊS, DOMINGO, etc;            interrogativo
    (31) DIA
                                                                                      interrogativo
  • EU CONVIDAR VOCÊ VIR MINH@ CASA. VOCÊ PODER DIA?
          Resposta: SÁBADO QUE-VEM, EU PODER.
 
  • Que-horas e Quantas-horas
    Na LIBRAS, para se referir a horas, usa-se a mesma configuração dos numerais para quantidade e, após doze horas, não se continua a contagem, começa-se a contar novamente: 1 HORA, 2 HORA, 3 HORA, etc, acrescentando o sinal TARDE, quando necessário, porque geralmente pelo contexto já se sabe se está se referindo à manhã, tarde, noite ou madrugada. A expressão interrogativa QUE-HORAS? (um apontar para o pulso), está relacionada ao tempo cronológico, exemplo:
    (32) QUE-HORAS
  • AULA COMEÇAR QUE-HORAS AQUI?
  • VOCÊ TRABALHAR COMEÇAR QUE-HORAS?
  • AULA TERMINAR QUE-HORAS?
  • VOCÊ ACORDAR QUE-HORAS?
  • VOCÊ DORMIR QUE-HORAS?
    Já a expressão interrogativa QUANTAS-HORAS ( um círculo ao redor do rosto) está sempre relacionada ao tempo gasto para se realizar alguma atividade, exemplos:                 interrogativo
    (33) QUANTAS-HORAS
  • VIAJAR SÃO-PAULO QUANTAS-HORAS?
  • TRABALHAR ESCOLA QUANTAS-HORAS?
  • Expressões idiomáticas relacionadas ao ano sideral

    Na LIBRAS há 2 sinais diferentes para a idéia “dia”: um sinal relacionado a dia do mês, que é a datilologia D-I-A, e o sinal DIA (duração), (que tem a configuração de mão em d, batendo na testa no lado direito) Exemplos:
    (34) D-I-A AMANHÃ?
            AMANHÃ D-I-A 17
    (35) VIAJAR RECIFE ÔNIBUS EU CANSAD@ DIA-2
            “Eu estou cansada porque viajei 2 dias de ônibus para o Recife”
    Os numerais de 1 a 4 podem ser incorporados aos sinais DIA (duração), SEMA-NA, MÊS e ANO e VEZ, exemplos:
    (36) DIA-1, DIAS-2;
    (37) SEMANA-1, SEMANA-2, SEMANA-3, SEMANA-4;
    (38) MÊS-1, MÊS-2, MÊS-3;
    (39) ANO-1, AN0-2, ANO-3;
    (40) VEZ-1, VEZ-2, VEZ-3, MUIT@-VEZES
    A partir do numeral 5, não há mais incorporação e a construção utilizada é formada pelo sinal seguido do numeral segue. Esta construção também pode ser usada para os numerais inferiores a 5, que permitem a incorporação mencionada acima, exemplos:
    (41) DIA 4, DIA 20, SEMANA 8, ANO 6
    Aos sinais DIA (duração) e SEMANA podem ser incorporadas a freqüência ou duração através de um movimento prolongado ou repetido. Exemplos:
    (42)   TODOS-OS-DIAS  -  movimento repetido;
    (43)   DIA-INTEIRO  “o dia todo”  -  movimento alongado;
    (44)   TOD@-SEMANA 2ª-FEIRA  “ todas as segundas”  -  mov. alongado,
              TOD@-SEMANA 4 a-FEIRA  “todas as quartas”
 
5.4. Numeral na LIBRAS
    As línguas podem ter formas diferentes para apresentar os numerais quando utilizados como cardinais, ordinais, quantidade, medida, idade, dias da semana ou mês, horas e valores monetários. Isso também acontece na LIBRAS.
    Nesta língua é agramatical, ou seja, errado a utilização de uma única configuração das mãos para determinados numerais que têm configurações específicas que dependem do contexto, por exemplo: o numeral cardinal 1 é diferente da quantidade 1, como em LIVRO 1, que é diferente de PRIMEIRO-LUGAR, que é diferente de PRIMEIRO-ANDAR, que é diferente de PRIMEIRO-GRAU, que é diferente de MÊS-1.
Os numerais cardinais, as quantidades, e idade a partir do número 11 são idênticos. Os números 22, 33, 44 e 77 sempre são articulados com a mão apontando para a frente do emissor.
    Os numerais ordinais do PRIMEIRO até o NONO têm a mesma forma dos cardinais, mas aqueles possuem movimentos enquanto estes não possuem. Os ordinais do PRIMEIRO até o QUARTO têm movimentos para cima e para baixo e os ordinais do QUINTO até o NONO têm movimentos para os lados. A partir do numeral DEZ, não há mais diferença entre os cardinais e ordinais.
 
5.4.1. Utilização dos numerais para valores monetários, pesos e medidas
    Em LIBRAS para se representar os valores monetários de um até nove reais, usa-se o sinal do numeral correspondente ao valor, incorporando a este o sinal VÍRGULA. Por isso o numeral para valor monetário terá pequenos movimentos rotativos. Pode ser usado também para estes valores acima os sinais dos numerais correspondentes seguido do sinais soletrados  R-L “real” ou R-S “reais”.
    Para valores de um mil até nove mil também há a incorporação do sinal VÍRGULA, mas aqui o movimento desta incorporação é mais alongando do que os valores anteriores (de 1 até nove reais). Pode ser usado também para estes valores acima os sinais dos numerais corres-pondente seguido de PONTO.
    Para valores de um milhão para cima, usa-se também a incorporação do sinal VÍRGULA com o numeral correspondente, mas aqui o movimento rotativo é mais alongado do que em mil. Pode-se notar uma gradação tanto na expressão facial como neste movimento da vírgula incorporada que ficam maiores e mais acentuados : de 1 a 9  <  de 1.000 a 9.000  <  de 1.000.000 a 9.000.000.
    Quando o valor é centavo, o sinal VÍRGULA vem depois do sinal ZERO, mas na maioria das vezes não precisa usar o sinal ZERO para centavo porque o contexto pode esclarecer e os valores para centavos ficam iguais aos numerais cardinais.



 

terça-feira, 21 de setembro de 2010

O QUE É LIBRAS? - Língua Brasileira de Sinais

LIBRAS - Língua Brasileira de Sinais


As novas tecnologias estão facilitando o ensino da Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS). Já estão disponíveis em todo o País dicionários digitais da LIBRAS.

   Conceito
A Língua Brasileira de Sinais foi desenvolvida a partir da língua de sinais francesa. As línguas de sinais não são universais, cada país possui a sua.
A LIBRAS possui estrutura gramatical própria. Os sinais são formados por meio da combinação de formas e de movimentos das mãos e de pontos de referência no corpo ou no espaço.
Segundo a legislação vigente, Libras constitui um sistema lingüístico de transmissão de idéias e fatos, oriundos de comunidades de pessoas com deficiência auditiva do Brasil, na qual há uma forma de comunicação e expressão, de natureza visual-motora, com estrutura gramatical própria.
Decretada e sancionada em 24 de abril de 2002, a Lei N° 10.436, no seu artigo 4º, dispõe o seguinte:
"O sistema educacional federal e sistemas educacionais estaduais, municipais e do Distrito Federal devem garantir a inclusão nos cursos de formação de Educação Especial, de Fonoaudiologia e de Magistério, em seus níveis médio e superior, do ensino da Língua Brasileira de Sinais - Libras, como parte integrante dos Parâmetros Curriculares Nacionais - PCNs, conforme legislação vigente".
   Dicionário Digital
A Secretaria de Educação Especial do Ministério da Educação (MEC) produziu o Dicionário Digital na Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS, no formato CD-Rom. Foram distribuídos cerca de 15 mil dicionários para todo o País. Espera-se que cerca de 50 mil estudantes de escolas públicas brasileiras utilizem o material.
O CD-Rom apresenta as palavras em movimento na Língua de Sinais. Este produto foi criado para auxiliar a capacitação de professores que irão trabalhar com alunos deficientes auditivos do Ensino Fundamental.
Outro material de suporte para o ensino-aprendizagem da LIBRAS é o Dicionário Enciclopédico Trilíngüe da Língua de Sinais Brasileira (Português, Inglês e Língua de Sinais), elaborado pelo professor Fernando César Capovilla, do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (em versão impressa).
Composição do Dicionário de LIBRAS
Publicado pela Edusp, o Dicionário Enciclopédico Ilustrado Trilíngüe da Língua de Sinais Brasileira apresenta dois volumes, num total de 1.620 páginas. Contém três capítulos introdutórios, um corpo principal de sinais, um dicionário Inglês-Português, um índice semântico, três capítulos de Educação e três de Tecnologia em Deficiência Auditiva.
Preparação
Durante cerca de cinco anos foram elaboradas pesquisas no Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, com o apoio de várias organizações e professores especializados da Federação Nacional de Educação e Integração de Surdos. O dicionário foi aprovado após inúmeras reuniões e aperfeiçoamentos no Laboratório de Neuropsicolingüística Cognitiva Experimental da USP.
Prêmio Jabuti 2002
Pela sua relevância, o Dicionário Enciclopédico Ilustrado Trilíngüe da Língua de Sinais Brasileira foi indicado pela Câmara Nacional do Livro ao Prêmio Jabuti 2002, na categoria de Melhor Livro de Educação e Psicologia.

   Links
Dicionário de LIBRAS Ilustrado (CD-Rom). Governo do Estado de São Paulo.
http://www.saopaulo.sp.gov.br/hotsite/libras/index.htm
Língua Brasileira de Sinais. AJA - Associação do Jovem Aprendiz.
http://www.libras.org.br
Legislação referente a Língua Brasileira de Sinais.
http://www.libras.org.br/leilibras.htm
Dicionário LIBRAS.
http://www.dicionariolibras.com.br/website/index.asp
Dicionário Enciclopédico Ilustrado Trilíngüe da Língua de Sinais Brasileira.
http://integracao.fgvsp.br/ano4/8/noticias.htm
Secretarias dispõe de dicionários de LIBRAS. Último Segundo. IG. 26/09/2002.
http://ultimosegundo.ig.com.br/useg/vestibular/artigo
/0,,930013,00.html

São Paulo lança Dicionário Digital da Língua Brasileira de Sinais. Último Segundo. IG. 26/09/2002.
http://ultimosegundo.ig.com.br/useg/notgerais/artigo/
0,,929885,00.html

MEC lança dicionário digital para deficientes auditivos. PC News. IDG Now. 16/10/2002.
http://idgnow.terra.com.br/idgnow/pcnews/2002/03/0051
Para mais informações clique em AJUDA no menu.

Libras - animações

Libras - animações
Abatimento Abortar Acertar Achar - Encontrar
Acompanhar - juntos Adversário Advertir Advinhar
Afinidade Agricultura Água Alce
Ali Altitude Alvo Amor
Antebraço Após Aprofundar Aproximar
Aquele Arroz Árvore Atrás
Atrás 2 Aumentar - diminuir Azul Balão
Bebedouro Cachorro Camelo- Dromedário Carro
Casa Cavalo Chuva Conhecer
Coração Crucificação Crucificar Cruz
Culpa Depressão Detrás Devagar
Diariamente Dicionáriolibras.com.br Difícil Dinossauro
Elefante Emoções Entre Escola
Estudar Eu Eu Eu amo você (grande)
Eu conheço São Paulo Família Feio Fonoaudiólogo
Frio Grande Igreja Janela
Jurar Laranja Legal Letra C
Letra I Letra L - pronúncia - Letra R Letra U
Letra V Letra W LIBRAS - Apagar a luz Libras - elástico
Libras - Eu amo você Licença Longe Matar
Menos Mesa Meu Nome Monstro
Mostrando a LÍNGUA Mulher Mulher 2 Não Entender
Nora Nós dois Número 1 Padre
Papel Peixe Peixes Perguntar
Pouco Pouco-Rápido Quieto Rápido
Revólver São Paulo Seu Nome Sinal - FENEIS
Sylvia Tartaruga Televisão Ter
Vizinho Você Você conhece São Paulo